Não é mais novidade para ninguém que no Brasil, existem milhões de animais que vivem em situações de abandono. Basta sairmos de casa para comprovarmos isso. E as desculpas são as mais adversas: Esse cachorro late demais; é muito bagunceiro; não faz xixi no local certo; vou mudar de residência; meus filhos têm alergia a pelos, não tenho mais tempo, esse gato sobe até na minha mesa...


Arquivo pessoal
O post de hoje é para estimular você que gosta de cães e gatos, a se dar uma oportunidade de vivenciar a experiência da adoção e, também, permitir que os pets que vivem em abrigos, ou até mesmo nas ruas, ofereçam o que tem de melhor: amor, gratidão e lealdade.

É importante que as pessoas entendam que os animais crescem, passam pela fase da infância, se tornam um membro da família e, algumas vezes vão precisar de tratamento médico e, principalmente envelhecem. Mas ao contrário de muitos humanos, jamais nos abandonam. 

Tutora de 22 animais para adoção e há mais de 11 anos lutando pelo direito dos animais, Val Consolação (como é conhecida por ONG’s e adotantes de pets), atua na luta por políticas públicas em defesa dos animais, e tem participado de diversas audiências na Câmara Municipal e na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Voluntária da Associação Cão Viver e Presidente da APAC/MG - Associação Protetora dos Animais em Minas Gerais, Val ficou conhecida na capital mineira pelos diversos resgates de animais abandonados e apoio de outros protetores. 


Foto Elisa Barros
Em entrevista ao Blog EuExPlusSize, a protetora e também bacharel em direito que participou das duas últimas edições do Fórum Nacional de Defesa Animal e também faz parte da Comissão de Ética do Uso de Animais em Pesquisa (CEUA) da Fundação Ezequiel Dias, esclarece algumas dúvidas de quem tem interesse em adotar.

EuExPlusSize: Atualmente qual é a estimativa de pets abandonados no Brasil e/ou em Minas Gerais? 
Val Consolação: Aproximadamente 50 mil só em Minas Gerais.
EuExPlusSize: Podemos dizer que os números de adoção melhoraram nos últimos anos?
Val Consolação: Tenho visto uma melhora na questão da adoção de animais de rua e de abrigos, mas ainda temos uma árdua batalha para conscientizar as pessoas que a adoção é a forma mais ética de se adquirir um animal.
EEPS: Quais fatores devem ser levados em consideração na hora decisão de ter um pet em casa? 
VC: É importante lembrar que a adoção é um ato não só de amor, mas também de muita responsabilidade. Um pet é uma vida e não um brinquedo que pode ser descartado quando não mais o desejamos.  Considero que é impossível ser feliz sem animais em casa.
EEPS: Qual o seu ponto de vista a respeito da castração?
VC: Travo uma grande batalha pela castração, pois somente com ela em massa teremos um controle ético populacional de animais de rua e semi domiciliados.  E é fato que temos que dar acesso a castração para a população carente.
EEPS: O que falta ser feito para que as pessoas se conscientizem da importância do não abandono e da adoção Pet?
VC: Precisamos focar na educação. Hoje eu faço palestras em escolas para conscientizar as pessoas sobre a importância da castração e adoção, com foco no bem-estar animal e meio ambiente. Lutamos uma luta linda e digna, espero que um dia eu possa olhar para trás e ver que tudo isso valeu a pena.  

ADOTAR É TUDO DE BOM!

Hoje eu e meu esposo somos tutores de sete cães. Sim eu disse sete! Sendo três deles regate: Tereza (vira-lata), Rafinha (vira-lata), e a Mel (Poodle). Cada um deles carregam uma história de dor e sofrimento.  A Mel foi abandonada no bairro Jardim Laguna, em uma situação de calamidade, Tereza foi atropelada por um caminhão e o Rafinha foi espancado a pauladas próximo ao trabalho de meu esposo. Os demais foram ganhados e também gerados pela mel.
Tereza - arquivo pessoal

Rafinha - arquivo pessoal

Mel - arquivo pessoal

E uma coisa eu falo com propriedade: pets adotados têm algo muito em comum: são eternamente amorosos e gratos aos seus tutores.

EXEMPLOS DE ADOÇÃO
Quando eles nos escolhem...

“Cresci com cães ao meu redor, meu pai e minha mãe sempre foram verdadeiros adoradores de animais. Minha casa sempre foi cheia deles, em sua grande maioria vira latas. Hoje tenho 4 cães adotados, que ficam na casa da minha mãe, alguns que chegaram até mim em estado deplorável, fora os resgatados e encaminhados para novas famílias. No meu apê, por exemplo, até a semana passada dividíamos o espaço apenas com a Malu, mas tudo mudou durante nossa última viagem de férias.

 Fomos passar uns dias em um sítio e fomos literalmente adotados por um pequeno que apareceu por lá. Era o Felipe. Claro nos apaixonamos e agora ele também faz parte da nossa família. Tenho sorte de ter um marido que compartilha desse amor pelos animais e aguenta minhas loucuras. ”

(Izabella Ruchido – jornalista e protetora)

Arquivo pessoal

Quando os escolhemos e somos escolhidos...

A nossa história com nossos bebês peludos começou com a perda da minha Lua, uma cadela sem raça definida, mestiça de Cocker com Poodle, que viveu 12 anos ao meu lado e morreu 20 dias após meu casamento. Sem ela, eu e meu marido, Leandro, decidimos que iriamos adotar outro cão. A adoção sempre foi nossa primeira opção, nem pensamos em comprar.
Arquivo Pessoal

Arquivo Pessoal
Quando decidimos adotar, fui escolhida pelo Elvis. Já o Raul, seu irmão, foi escolhido por meu esposo. E em seguida veio a Nazaré, escolhida pela minha mãe. Mesmo morando em um apartamento de dois quartos, topei o desafio. Hoje, tenho uma filha de 2 anos e meio, a Lola, e ela convive desde que chegou da maternidade com os três. Eles se amam e é lindo ver isso. Estudos, muitos deles, comprovam os benefícios que um cão traz a uma criança. Esses vão desde o fortalecimento da imunidade até à colaboração no desenvolvimento sentimental e cognitivo dos pequenos.

As pessoas precisam entender que um cachorro vive em média 12 anos. Chega filhote (na maioria das vezes) e mesmo tão fofinho, destrói metade dos móveis, suja a casa e chora de solidão. Depois ele cresce e alguns ficam mais preguiçosos e não querem tantas brincadeiras. Eles então envelhecem e precisam de cuidado redobrado. Podem ficar cegos, surdos, com problemas de locomoção. Os gastos com veterinário são altos. Alimentação e controle de pulgas e carrapatos também são caros. Para viajar, tem que planejar onde irão ficar. Eles precisam de atenção diária, passeios, brincadeiras, carinho e conforto.

(Letícia Murta – Jornalista e blogueira @leticia_eucurtosermae)


Quando a adoção vem junto de boas lembranças e gratidão

Conheci a Mel e sua história em janeiro de 2015. Me foi proposto a adoção, devido a perda da minha Dara, uma poodle que tive e viveu por 17 anos. Pensei que seria difícil por morar sozinha porque ela precisava de cuidados. Aceitei adotar! Quando nos olhamos pela primeira vez, meus olhos encheram de lágrimas. Pensei na Dara.
Recebi apoio de todos, exceto do meu pai. Com medo de sofrer de novo ele se recusava a olhar para Mel e até conversar comigo por um tempo.  Mas o dia que ele viu a Mel, foi paixão a primeira vista. Viajamos e passeamos muito. Hoje estamos morando na França! Devido as informações a respeito das burocracias da mudança de país com meu pet não serem suficientes, fiz tudo sozinha. Corri atrás de todas as informações e cá estamos, lindas, com saúde e felizes.

(Bárbara Lara – bióloga)

Arquivo pessoal
Quando a adoção vem com as garras do amor


O amor por gatos me acompanha desde a infância. Depois que eu casei, resgatei um gatinho que estava todo queimado. O Zé Bel. Na época morava de aluguel. Assim que fui para minha casa própria, senti a necessidade de arranjar uma companhia para ele, pois eu saia para trabalhar e percebia que ele ficava muito triste. Foi aí que veio a Tchutchu.  Infelizmente com o tempo ela sumiu. Acredito que um antigo vizinho sumiu com ela, pois não gostava de felinos.
Arquivo Pessoal
Depois deste episódio, um amigo me pediu para eu resgatar uma gatinha que sofria maus tratos. E como eu estava chateada pelo sumiço da Tchuchu, eu e meu esposo decidimos adotar. Já havíamos programado a castração dela, mas foi tarde demais, Lucy, como a chamávamos, ficou prenha e nos presenteou com cinco filhotes: Zé Milho, Zé Binho, Lindinha, Surah e Apolo (que foi adotado por um amigo). 

Hoje, Lucy não está mais conosco, somos seis, porque chegou o Zulu, um gato lindo que minha vizinha adotou, mas que não sai da minha casa.  Ter gato é maravilhoso. Eu posso estar muito chateada, mas quando encontro com eles, minha alegria retorna.

(Walquíria Justino – Tosadora)

Deseja Adotar um  pet?

Se após a leitura deste post você decidiu que é o momento de adotar, entre em contato com as ONG’s abaixo e saiba quais são os procedimentos que devem ser tomados para adoção. São as seguintes:

*** Associação Cão Viver (Contagem)http://www.caoviver.com.br/  (31) 3397-8560 | FEIRA DE ADOÇÃO PERMANENTE: 3ª, 5ª e 6ª, das 14h às 16h • Aos sábados, das 13h às 16h;

*** Rockbicho.org Associação de Proteção Animal (ex-SOS Bichos): http://rockbicho.org/;

  *** Associação Bichos Gerais (ABG) : https://www.bichosgerais.org : Organização Não Governamental fundada em 28 de março de 2001.WhatsApp 989795784. Unidade Pitangui, 3556, Horto 30862415. Patriarca, 867. Ipiranga 34811968.


Grande beijo!
Define-se ansiedade como: mal-estar físico, psíquico, aflição, agonia, desejo veemente impaciente... quem é que não se identifica com pelo menos uma dessas características?

Posso dizer que se colocar tudo em uma sacola eu levo para casa. Sim, sou uma pessoa ansiosa! Aliás extremamente ansiosa! Muita gente não sabe, mas em 2012 eu passei por uma cirurgia no útero para combater uma endometriose gravíssima. Por conta de um erro médico eu parei de andar. Isso mesmo! Parei de andar e tive que fazer mais de um ano de fisioterapia para me recuperar totalmente.

Imagens da internet

Graças a Deus hoje ando normalmente, mas confesso que foi uma fase muito difícil. Por conta deste erro, eu entrei em um quadro de ansiedade juntamente com quadro depressivo por conta das dores que eu sentia 24 horas sem cessar.  Fruto de uma lesão que aconteceu no nervo da minha perna.

Tudo isso gerou uma ansiedade fora do normal. Mal conseguia comer. Mediante essa situação, minha mãe fez um chá que eu gostaria de repassar para vocês.  São três ingredientes: maçã, maracujá e água.

Esse chá eu tomei por um período não muito longo, mas colaborou e muito para que eu viesse ficar mais calma e tivesse paciência para lidar com a dificuldade que estava passando: neuropatia por compressão.

INGREDIENTES E MODO DE PREPARO

Arquivo Pessoal


É bem simples. Separe 4 maçãs médias (usei a gala), e 3 maracujás;

Depois de lavar bem, pique as frutas com casca e poupa e coloque em uma panela com dois litros de água;

Cozinhe bem até as frutas ficarem bem molinhas;

Desligue o fogo e deixe esfriar;

Vire tudo em uma jarra e não precisa coar;

Fique à vontade para tomar gelado como suco ou morno como chá;

Adoce com três gotas de adoçante se preferir.


Berijos

Olá, pessoal!

Mais um dia de post no blog, só que desta vez eu vim falar sobre a minha transição capilar como prometido no último post. Então vamos lá! 

Quando decidimos passar pela transição capilar a PRIMEIRA coisa que descobrimos é que NÃO conhecemos o nosso cabelo in natura. Acreditem! Falo isso com propriedade de causa.


Arquivo Pessoal

 Desde criança frequentava salão de beleza.  Na minha época era muito comum as mães levarem suas filhas para relaxarem o cabelo. Na verdade, isso ainda acontece nos dias de hoje. É muito comum crianças enfrentarem os bancos dos cabeleireiros, a fim de usarem químicas capilares mais fracas.

O objetivo deste post não é criticar mães que tomam esta postura. Mas sim relatar a minha experiência. Mesmo porque, muitas utilizam a química para “facilitar” o pentear dos cabelos, livrar os filhos de atos racistas ou, até mesmo, por gostarem de cabelos alisados. Prossigamos!

Como disse, a primeira coisa que descobrimos é que não conhecemos o nosso cabelo. E assim foi comigo. Desde os oito anos fazia uso de relaxamento capilar. E em maio do ano passado resolvi fazer uso de tranças.  Na verdade, voltei a usar, afinal, minha avó era trancista e eu e minhas primas éramos modelos de seu trabalhos.
Arquivo Pessoal
Neste meio tempo comecei o processo de 0% de química no meu cabelo. Foi uma decisão muito difícil, confesso, pois muito mais que modismo, é um grito de liberdade.  Liberdade para ser quem eu sou, sem necessariamente se preocupar com o que os outros vão pensar, liberdade para responder à altura que meu cabelo não é ruim e que péssimo é o preconceito das pessoas, liberdade para dizer que não vai ser a opinião alheia que vai me diminuir por conta da minha escolha, e por fim, liberdade para dizer que sou linda sim! Com meu cabelo crespo, alto, black power (ainda vai subir mais kk...), cacheado, careca, ou até mesmo, alisado.


Após muita conversa com algumas amigas (que passaram pelo mesmo processo), e meu esposo, comecei o meu Big Chop, que significa grande corte.

TRISTE LEMBRANÇA DA INFÂNCIA

No dia 27 de dezembro de 2016, resolvi que era o momento de dar início ao meu Big Chop. A cada mecha do meu cabelo que eu tirava, um filme ia passando na minha cabeça. Senti vontade de chorar? Sim, mas resisti! 

Por cada apelido que já ganhei na minha infância e adolescência por ter o cabelo crespo me fez pensar duas vezes se era isso mesmo que eu queria. Lembrei-me da Juliana, uma aluna de cabelos lisos da mesma escola que eu estudava que me aguardava todos os dias na escada que dava acesso às salas de aula, a fim de tentar mostrar aos amigos que o pente fino que ela utilizava para pentear o próprio cabelo, não entrava nos meus.

Quantas foram as vezes em que relaxei o cabelo pensando nessa garota. “Hoje a Juliana pode fazer o que for no meu cabelo, porque meu cabelo está liso! ”. Triste lembrança.

DESCOBRINDO MINHA TEXTURA CAPILAR

Tranças retiradas, hora de conhecer minha textura capilar.  Ressecamento total!!! Socorro! O que passar neste cabelo que há mais de 20 anos não respirava em sua versão natural? Hora de aprender o que meu cabelo gostava, o que ele detestava, tratamentos que dão resultados e qual o tipo do meu cabelo. E descobri que o meu é Crespo tipo 4 (em breve falarei mais sobre isso).


Arquivo Pessoal
PÓS BIG CHOP

Quando fui lavar meu cabelo, ele parecia um camelo no deserto. A cada creme que eu usava meu cabelo sugava tudo.  Sua textura áspera me deixou intrigada. Afinal, há mais de 20 anos ele não respirava novos ares. Foi aí que eu aprendi sobre a umectação. Feito 

à base de óleo de coco ou azeite de oliva extra virgem. Eu usei o de coco, e de fato deu um resultado imediato no meu cabelo. Mas isso é conteúdo para um próximo post. Aguardem!

Grande Beijo!

Ainda são seis da matina e cá estou eu escrevendo mais um post. O conteúdo de hoje tem por objetivo encorajar vocês a mudarem quando for preciso.

Não importa em qual área da vida isso vai acontecer, mas sim, o tamanho da sua coragem em tomar uma atitude!
Quero compartilhar com vocês algumas mudanças que eu passei e, acreditem, foram decisões que me fizeram mais feliz!

A primeira mudança foi deixar o jornalismo como profissão e entrar de cabeça em uma área que amo de paixão: O MUNDO PET! Na verdade, lidar com animais foi um embate que sofri no terceiro período da faculdade.  Afinal, qual a melhor atitude:  trancar o curso atuante e recomeçar em outra área completamente diferente, ou concluir o jornalismo e DEPOIS INVESTIR NA VETERINÁRIA? 



Arquivo Pessoal
No fundo o meu grande medo era formar e nunca atuar no jornalismo. O que infelizmente acontece com muita gente que conclui alguma graduação. Graças a Deus trabalhei como jornalista por alguns anos: TV, revista e assessorias. Mas em maio de 2016, eu resolvi mudar. Assumi um Pet Shop, o Meu Animal Pet Shop, que tem me trazido tantas alegrias e algumas mordidas (kkkk... poucas, mas acontecem) e que de fato me encontrei.  

Sven - Arquivo Pessoal

Bidu - Arquivo Pessoal

Teodoro -Arquivo Pessoal


Lobo - Arquivo Pessoal

Zé Milho - Arquivo Pessoal


Billy - Arquivo Pessoal

Goham, Amora, Tod  & Lenon - Arquivo Pessoal

Rambo - Arquivo Pessoal

Thor - Arquivo Pessoal


Hoje, oito meses depois desta decisão,  durmo  e acordo pensando nos meus clientes de quatro patas e todo carinho que recebo deles compensa demais.

Outra mudança que gostaria de compartilhar, foi  a retirada total da química do meu cabelo. Para muitos, uma simples mudança, mas para quem leva consigo "CRENÇAS LIMITANTES" desde a infância, sabe do que estou falando.


Como já disse aqui, essa mudança para mim foi libertadora. Afinal, infelizmente  a sociedade tenta impor que para ser feliz você tem que ter o corpo, o cabelo,  a casa, a profissão, o carro, dentre outras coisas dentro de um determinado padrão.

Hoje, eu Aline, quero meu cabelo como ele é: Crespo tipo 4.  E sobre isso falarei em um próximo post. Vou compartilhar com vocês a evolução desta mudança capilar, tratamentos, melhores produtos, preços, etc. 

Arquivo Pessoal
E para finalizar, o que eu quero é te encorajar: Mude se for preciso!  Seja FELIZ naquilo que te FAÇA FELIZ! Para tudo na vida, o NÃO já temos. Corra atrás do sim! 
E sobre o emagrecimento, AINDA não cheguei lá, na minha meta, mas prossigo sem pressa para alcançar mais este sonho.  

Ah!  E se você está em busca de una pet shop que trate seu baby de 4 patas com amor e respeito entre em contato no 
(31) 2557-4904  | (31) 98643-7266 (Whats App), ou acesse nossa Fan Page Meu Animal Pet Shop.


Arquivo Pessoal


Grande beijo.


Então 2016, a saída e logo ali. E com você, por favor, leve muitas coisas que "pretendo" não fazer uso e nem presenciar em 2017. Como: tristeza, amargura, solidão, maldade humana, gordura corporal, maus tratos aos animais, falta de $, crise no país e Química no meu cabelo.


Arquivo Pessoal
E por falar nela, informo que deixar de usar química não me faz mais ou menos negra. Ao contrário, me dá uma liberdade que eu não sei "no momento" me expressar, mas que tomar a decisão de deixar o meu cabelo natural foi difícil. Desejável, mas difícil. Desde criança relaxava o meu cabelo. Não julgo a minha mãe, afinal, foi uma forma de me ver bem mais feliz e com menos trabalho para pentear meu crespo.
Arquivo Pessoal
Hoje, às crianças e adultos também, podem levantar as mãos para o céu, pois as empresas enfim perceberam que é uma bobagem não investir em TODOS OS TIPOS DE CABELO.
Ontem foi o dia do meu BC. Fiquei muito pensativa se era isso que eu queria e se estava na hora certa. O medo de reviver muitas coisas da minha infância ressuscitou.

Mas Deus, através do meu marido Alisson Marques, e de algumas amigas como: Danny Mendes, Vivi Olly, Sheila Antão, Sheila Matias, Wal, Greyce Mello, Dalis, Luciana e as integrantes do Clube De Blogueiras Negras de BH, me ajudou.

E aqui estou eu: Livre! Uma nova Aline! Uma Aline que quer ser camaleoa. Uma amiga me disse que não acredita que viveu para ver isso. Na hora eu ri porque eu era viciada em química capilar e ela provavelmente sabia.

Hoje eu quero meu black láááá no alto. Podem esperar, mas se amanhã eu quiser relaxar... aí serão outros 500.




Oi, pessoas. Tudo bem?

No mês de outubro o Clube de Blogueiras Negras de Beagá, comemorou seu primeiro aniversário. Com isso, todas as blogueiras postaram vídeos durante a última semana, com diversos temas que vale a pena você conferir. Para isso, vou deixar o link do canal de cada uma delas no fim do post.

Em especial o blog EuExPlusSize preparou algumas receitas que foram propostas por algumas blogueiras em forma de desafio.

SOBRE O DESAFIO.

Cada blogueira me sugeriu "transformar" um prato de sua preferência em uma versão mais fit. E para dar início a esta ideia, a primeira sugestão vem da querida blogueira Sheilla Antão do blog "Por 365 Dias De ConsciênciaNegra". A ideia da Sheilla é que eu fizesse um pão de queijo mais saudável.  E a minha proposta foi um pão de queijo de batata doce.

Arquivo Pessoal
ANOTE OS INGREDIENTES

* 1 Ovo;
* 1 Colher de leite desnatado;
* 1 Colher de requeijão light;
* 10 Colheres de sopa de polvilho doce;
* 1 Pedaço de Queijo Minas;
* 300g (aproximadamente) de batata doce - usei a de casca mais clara;
* 1 colher de azeite ou óleo de coco; 
* 1 Pitada de sal.


Quer saber o modo de preparo?  Confira o vídeo abaixoou clique aqui >>> https://www.youtube.com/watch?v=QA_UGXBsDcw

 E se gostar, não se esqueça de se inscrever no CanalEuExPlusSize . Assim você recebe as notificações dos novos vídeos. 

E quem se interessar em participar do Projeto EuExPlusSize e também do ZapZap GRATUITAMENTE, é só enviar um 
E-mail para euexplussize@gmail.com. Não se esqueça de se inscrever no Instagram @euexplussize e na Fanpage EuExPlusSize.

Ahhhh! E para você que ainda não conhece os canais das blogueiras do Clube, segue abaixo com os links de seus respectivos canais.

Grande beijo a todos!


 
Pessoal, o texto abaixo foi escrito pela minha nutricionista, Amanda Brito. As vezes  um choque de realidade faz bem. Confira!

O que mais vejo nos dias atuais são pessoas, principalmente do sexo feminino, querendo uma solução mágica ou algum alimento/suplemento extraordinário que ela irá utilizar pelo menos uma vez ao dia e que o fará emagrecer tudo o engordou durante anos e tonificar os músculos no tempo mais rápido possível! Isso sem ter que praticar nenhuma atividade física e sem mudar nenhum dos seus hábitos alimentares.

Assim como toda ciência, a nutrição está em eterna evolução. Cada dia se comprova benefícios e malefícios de alimentos que contribuem para melhoria da saúde e coadjuvantes em tratamentos de doenças, como também alimentos que devem ser literalmente excluídos da alimentação por não trazerem um único benefício sequer.

Imagem da internet
Como profissional não sei tudo, mas já são alguns bons anos entre graduações, especializações, extensões, congressos e etc. E de tudo o que estudo ou já estudei sabe o que descobri? NÃO EXISTE MILAGRE!

O que existe é o que se é falado e exemplificado todos os dias! Mudanças no comportamento alimentar + prática de atividade física diariamente = MELHOR QUALIDADE DE VIDA! Não que os benefícios de alimentos, de tratamentos estéticos não funcionem. Funcionam e muito! Mas não é só “tomar uma colher de óleo de coco todos os dias ou somente fazer 30 sessões de carboxiterapia", por exemplo, que irá resolver seu problema!

O que resolverá e junção de tudo! Alimentação adequada + atividade física + tratamento estético (se essa for uma escolha sua). E posso te contar mais um segredinho? É para o resto da sua vida!  Você não vai fazer “dieta”! Vai mudar o seu comportamento alimentar para que isso faça parte dos seus hábitos e você tenha saúde e qualidade de vida para o resto da vida.

Ah! e só mais uma coisa: Você não irá emagrecer tudo o que engordou somente com uma semana de mudanças na alimentação e prática de atividade física. As mudanças são lentas e progressivas, mas acontecem!

Porém sem essas mudanças... Sinto lhe informar... Nada vai acontecer... Ou melhor, vai sim! Mas para piorar a situação.

Quer uma dica? Pare de procurar fórmulas mirabolantes, suplementos, medicamentos, alimentos que sozinhos o farão emagrecer. Além da perda tempo, você perde seu dinheiro e sua saúde. Quer ajuda? Procure profissionais devidamente qualificados que realmente poderão te orientar para a busca por seu objetivo! Ah! E sem "mimimi" e um saco de desculpas! Faça sua parte com muita força de vontade, porque nada nesta vida é fácil!

Grande abraço!

Amanda BritoNutricionista 
CRN: 918157
Especialista em Nutrição esportiva, Funcional e Fisiologia do Exercício.

E Quem se interessar em participar e fazer parte do Projeto EuExPlusSize além do ZapZap GRATUITAMENTE, é só enviar um e-mail para euexplussize@gmail.comNão se esqueça de se inscrever no Canal EuExPlusSizeno  Instagram@euexplussize e na Fanpage EuExPlusSize.